ITAJAÍ: MAIS UMA VEZ…


Participa Itajaí 03

As eleições vieram, e passaram e, mais uma vez, Itajaí não elegeu sequer um representante, tanto em nível estadual, quanto em nível federal. O que significa isto?

A decepção se abateu, claramente, sobre os eleitores, que fizeram a sua parte, compareceram, e votaram. Este esforço, porém, foi inútil. Nossos votos caíram no vazio, não elegeram ninguém. A procuração que queríamos passar a um, pelo menos, de nossos candidatos, ficou estéril, sem função.

Passada essa lamentável situação, é hora de algumas considerações. E vou direto ao assunto. Atribuo a responsabilidade pelo fracasso eleitoral de nossos candidatos aos partidos políticos de onde eles provêm. Infelizmente, os partidos políticos são hoje estruturas sociologicamente mortas, não representam a ninguém, nem a nada, a não ser o pequeno grupo que deles faz parte, e que busca através dessas instituições moribundas, a satisfação de algum desejo escuso, privado e individual. Este é o quadro, que todos lamentamos, decepcionados, como torcedores em dia de derrota de seu time.

Assistimos à decadência dos partidos, vendo a inutilidade coletiva de seus objetivos, o distanciamento cada vez maior dos interesses da sociedade, o fracasso de suas lideranças. Por falar em liderança, salta a pergunta: liderança de quem? Liderança para onde? As respostas são simples e óbvias. Partidos não lideram mais, não têm propostas válidas, nem bandeiras que mereçam o nosso sacrifício de segui-las. São fantasmas, zumbis sem rumo.

A sociedade, a massa, precisa de líderes, precisa de bandeiras, precisa de propostas, precisa de organização. Este foi o papel atribuído, durante décadas, em todo o mundo, aos partidos políticos. O que têm feito eles? Sequer tentam organizar a sociedade em torno de bandeiras válidas e importantes.

Como Itajaí, com certeza, muitas outras cidades lamentam, frustradas, as derrotas de seus candidatos. Aqui nós deploramos a falta de responsabilidade das agremiações partidárias, que achacaram nossos votos, e que deveriam ter organizado nossa sociedade numa direção coletiva, orientando nossos votos para a vitória de, pelo menos, um, dos tantos candidatos indicados para o pleito. Mas, não. Ao invés disso, se voltaram para seus minúsculos interesses pessoais. Não pensaram no coletivo. Obviamente, isto seria exigir-lhes demais, já que este exercício lhes é muito penoso, senão impossível.

Os partidos políticos, que poluíram nossos ouvidos com tanto barulho, são instituições sem pés, nem cabeça. Possuem somente umbigos, para os quais vivem inclinados. Somente umbigos, grandes umbigos, nada mais.

O que uma Cidade inteira esperava, o que milhares de cidadãos/contribuintes/eleitores esperavam, era muito mais. Esperávamos que pessoas, que se aventuram a ocupar cargos públicos tão altos, tivessem um mínimo de sensibilidade moral, social e coletiva, que abandonassem, por um pequeno tempo, que fosse, suas pretensões pessoais, e que se unissem em torno dos interesses coletivos, esquecendo as malditas manipulações partidárias. Mais uma vez amargamos uma derrota coletiva. Mais uma vez a burrice imperou sobre a inteligência. Quem sabe, na próxima…

Jonas Tadeu Nunes

Observatório Social de Itajaí.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s